Xtinto – Opus Magnum Lyrics

[Verse 1]
Sucumbi temo na mesma
Se não te inseres no meu monólogo
É que eu pedi tempo de antena e tu sugeres um psicólogo
Tu queres um filho pródigo, com carta e eu nem código
Só empata e mata o próximo, sou um primata psicótico
Procrastino o meu destino até à data do velório
Veloz em paz oh simplório
Sim que ódio do meu hobby
Deprimir e acenar ao óbito
Contracenar com poli personalidade em prol de ti
Traz-me um copo B
Há muito que eu larguei o shot
Vi-te só de fino a adulterar o cockpit
P’ra chocar contra o que sinto
E sem chorar em choque fico com uma trip
Só que digo que é trigo limpo
Enquanto gingo sujo na cevada gringo
Bruços é o que se nada em tinto, eu pinto a vida que eu não tive
Vivo a milhas do que rimo, nem partilhas do que pito
A dar corda às sapatilhas
Se apareço no teu cúbico sem apreço
Eu fico freak e não saio ileso deste beat
Se vês que fico a bater mal hoje mato a bic, mato o beat
É normal é o meu mata bicho, não tá fixe
Não me stresses, não há álcool
Ansiedade bate forte
Aos S’s pela cidade, não me conheces? Eu bazo logo
Um bafo, posso? É hipnose, bate tosse
No ar fico a voar como um passe pro Bas Dost
Basso no compasso troço a um bagaço nosso
Jogo ao braço de ferro com o meu baço forte

[Refrão]
Se eu saí ileso eu confesso que não
Só houve aí interesse até ter senão
Preso à prece, apressa peça a peça
Essa pressa intensa em me ver são
Isenção de tensão é intenção
É benção em extensão, ascensão
‘Tão lavo a cara da terra será que sara da guerra?
Pára a ressaca dessa feição

Se eu saí ileso eu confesso que não
Só houve aí interesse até ter senão
Preso à prece, apressa peça a peça
Essa pressa intensa em me ver são
Isenção de tensão é intenção
É benção em extensão, ascensão
‘Tão lavo a cara da terra será que sara da guerra?
Pára a ressaca dessa feição

[Verso 2]
Passo a passo eu meto dó
Flow chorado, pedrado, cético
Tipo quando me deixaste só lá no Parque Eduardo Sétimo
Não é da tua conta ‘tou parvo em ter dado crédito
Sem fé eu não faço ponta sou um barco afundado péssimo
Meu opus magnum é o John Cage
Nunca me opus de facto
Eu vejo o diabo pálido debaixo do meu bocejo
Em parte o mártir do inferno de Dante eu divido a blasfémia
Vê-me a cair do céu p’ra divina comédia
Vivi na miséria sem artéria p’ra léria
Sou aquele que mesmo “Politeama” sem ser o La Féria
A tal séria conversa sobre a galdéria adversa
Maneira de eu lidar com o tempo é bactéria confessa
Tipo eclésia ‘tão reza não pegues nessas lacunas
Que eu sou só álcool e música alter egos são tunas
‘Tou todo cego só julgas merdas que no beat punhas
Não tens dentes p’ra comer ou roer o meu kit d’unhas

[Refrão]
Se eu saí ileso eu confesso que não
Só houve aí interesse até ter senão
Preso à prece, apressa peça a peça
Essa pressa intensa em me ver são
Isenção de tensão é intenção
É benção em extensão, ascensão
‘Tão lavo a cara da terra será que sara da guerra?
Pára a ressaca dessa feição

Se eu saí ileso eu confesso que não
Só houve aí interesse até ter senão
Preso à prece, apressa peça a peça
Essa pressa intensa em me ver são
Isenção de tensão é intenção
É benção em extensão, ascensão
‘Tão lavo a cara da terra será que sara da guerra?
Pára a ressaca dessa feição

Private Lives – Moon Machines (No Future Album)

I can still remember
The last time we played on Top Gear
And though each little song
Was less than three minutes long
Mike squeezed a solo in… somehow
And although we like our longer tunes
It seemed polite to cut them down
To little bits – they might be hits
Who gives an… after all?
Tell me how would you feel
In the place of John Peel?
You just can’t please
All of the musicians all the time
Playing now is lovely
Here in the BBC
We’re free to play almost as long and as loud
As a jazz group, or an orchestra on Radio Three
There are dancehalls and theatres
With acoustics worse than here
Not forgetting the extra facilities
Such as the tea machine, just along the corridor
So to all our mates like Kevin
Caravan, the old Pink Floyd
Allow me to recommend ‘Top Gear’
Despite its extraordinary name
Yes, playing, playing now is lovely
Here in the BBC
We’re free to play almost as long and as loud
As the foreign language classes… and the John Cage interview…
And the jazz groups… and the orchestras on Radio 3
Pop stars drink each others’ wine
Plough each others’ earth
Hoping for companionship
And then perhaps rebirth
Plant seeds in fresher plots of earth
Bound up in concepts and dreams
And fears of worse things to come
They never do
They stay the same
Music-making still
Performs a normal function
Background noise for people
Eating and talking and drinking and smoking
That’s all right by us
Don’t think that we’re complaining
After all it’s only leisure time, isn’t it?
I could almost sing this song
In a nice tone of voice
If I had to, I’d be glad to
It’s awfully nice to be here
So let’s open the beers and get tipsy
We’d be mad to
But if you sound refined
You just can’t blow the mind of a kiddy
Or a young lady
And if you come from the sun
You just can’t fool a mum into thinking
That you’re alright, really
So before this feeling dies
Remember, I could be telling lies
Now, I love your eyes
See how the time flies
I think it’s so great
You seem to change your fate
By working and playing
Something new in every way
Can be yours in a day
But I wonder what I’m really saying
So just before this feeling dies
Remember I may be telling lies
Falsehoods
White lies
Adverts
Idle chat
Banter
Half-truths
Rumours
And just lies, plain lies…
I shan’t say…
One more word…
So instead… I’ll play drums…